Entrevista Rafael Pepê, do Clube GEDA

O Rafael é um jovem campomaiorense, estudante do 6º ano, que aos 12 anos fez um projeto de divulgação dos Grous em Campo Maior. Além das exposições no CERN e no CEAN, «Instinto Natural» é um projecto que também tem como objectivo ir à Suécia ver os Grous mais, nas Lagoas de Hornborgasjön, um local onde existe um observatório dedicado aos Grous.

Este projecto teve o apoio do GEDA, do fotógrafo Ricardo Lourenço, que facultou as fotos, do Luís Venâncio, membro da SPEA que elaborou um gráfico com a presença dos Grous em Campo Maior nos últimos 20 anos. Esta entrevista pretende mostrar quem é o porquê deste projecto sobre esta ave migratória que passa o Inverno em terras raianas.

GEDA: Explica-nos o que é o «Instinto Natural»?

Rafael Pepê: O «Instinto Natural» é um projecto que tem como objectivo trazer turistas da Suécia a Ouguela (Campo Maior) para ver o Grou.

GEDA: Porquê a Suécia?

Rafael Pepê: Porque a Suécia, principalmente nas Lagoas de Hornborgasjön, é um dos locais em que sabemos que existem Grous em grande quantidade, pois é um dos locais onde passam a Primavera e Verão, e também onde fazem o acasalamento.

GEDA: Que iniciativas é que já foram feitas e quais estão previstas no âmbito do «Instinto Natural»?

Rafael Pepê: Foram feitas duas exposições e palestras, uma no Centro Escolar Comendador Rui Nabeiro e outra no Centro Educativo Alice Nabeiro, além de uma caminhada, a «Caminhada dos Grous», no passado mês de fevereiro. Ainda estão previstas algumas mais para a frente, na Escola Secundária de Campo Maior, no Centro Comunitário e outra no Lar de Idosos da Santa Casa da Misericórdia de Campo Maior.

GEDA: O que te levou a fazer este projecto sobre os Grous?

Rafael Pepê: O Eco-Escolas [Associação relacionada com o meio ambiente] propôs-nos o desafio de fazer algo relacionado com o meio-ambiente e eu decidi fazer sobre os Grous, que é uma ave muito importante para mim, de que gosto muito, e que me habituei a ver desde muito novo com o GEDA.

GEDA: Que pessoas e entidades participaram?

Rafael Pepê: Tive e tenho a ajuda dos meus pais, da minha família toda, e nas entidades, participou o Agrupamento de Escolas de Campo Maior, o Centro Educativo Alice Nabeiro, o GEDA, o Clube GEDA, a Câmara Municipal de Campo Maior. Tive o acompanhamento da RTP, que me filmou, entrevistou e acompanhou na exposição no CERN e nas caminhadas que fizemos com o GEDA. Nesta parte, o objectivo é para participar num concurso da Eurovisão, em que estão 23 projectos, sendo um deles o meu.

GEDA: Porque é que o Grous vêm para Campo Maior?

Rafael Pepê: Os Grous vêm essencialmente para Campo Maior à procura de alimento, já que nos países deles, entre os quais a Suécia, o Inverno é muito rigoroso e nessa altura fica tudo congelado, impossibilitando a alimentação.

GEDA: Quantos Grous costumam vir anualmente para Campo Maior?

Rafael Pepê: Normalmente quatro mil a seis mil entre Outubro e Fevereiro, segundo dados do Luís Venâncio, da SPEA [Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves].